Arquivo

Archive for dezembro \31\UTC 2008

Impacto 2009

ajudando os amigos: XAMPP+Eclipse PDT+Zend Debugger no Vista

Logo que iniciei os trabalhos em PHP (a anos luz atrás), a ferramenta “perfeita” para programação nessa linguagem ainda não existia.

Alguns anos depois, surgiu com muita sofisticação o Zend Studio. Era algo simplesmente fenomenal!

Debugar páginas PHP saiu do plano dos sonhos para realidade…. só, que existia um custo e, não era pequeno: o pacote Zend saia por aproximadamente US$ 300 ~ 400!

Os 15 dias de demonstração foram os mais felizes da minha vida… realmente era viciante. mas, acabou :-(

Voltei a bom e velho gVim… os projetos já estavam melhor encaminhados, já não tinha tantos bugs assim para descobrir e, foi possível manter a vida sem o Zend… até o início de 2007….

Comecei a prestar mais atenção em ferramentas que vinham surgindo… uma delas foi o consagrado Eclise, fenomenal com o Java, mas, surgia – no começo do ano passado – o PDT (PHP Development Tools), um framework para o Eclipse que proporciona algumas facilidades quando se utiliza essa IDE para programar em PHP.

Desde o início, já era possível utilizar o XDebug para debugar código PHP “online”.. ver as varíaveis em tempo de execução a saída do código… nossa! era um Zend a custo zero!

O sonho novamente tinha se tornado realidade, só que dessa vez, realidade mesmo!

De lá pra cá, seja no Linux, seja no Windows, tenho utilizado a dupla PDT + Zend Debugger para meus trabalhos…

Vamos por a mão na massa.

Estou utilizando o Windows Vista SP1 em inglês.

é necessário baixar:

Xampp lite (a versão que eu tenho é antiga, 2.5)

Eclipse PDT (stable, 1.0.3)

Zend Debugger (atualizei para a versão 5.2.14)

A “instalação” do xampp no windows é uma vergonha!

é só baixar no site, e descompactar. eu descompacto no c:\

você abre o gerenciador do XAMPP (xampp-control.exe) e, de lá inicia e para os aplicativos.. excelente!

A o Eclipse PDT é a mesma história. O único incoveniente é o tamanho do pacote: 130 MB.

A parte mais complicada é instalar o Zend Debugger.

Baixe no site o arquivo ZendDebugger-5.2.14-cygwin_nt-i386.zip (versão q estou usando).

Descompacte e procure a subpasta “5_1_x_comp”, lá vc vai encontrar o arquivo ZendDebugger.dll.

Copie esse arquivo para a pasta “C:\xampplite\php\ext”.

Existe no Zip também um arquivo chamado “dummy.php” que você deve copiar para o document root do apache (”C:\xampplite\htdocs”).

É necessário alterar o arquivo php.ini. O arquivo que o xampplite utiliza fica na pasta “C:\xampplite\apache\bin\”. Não custa conferir.. crie um arquivo “info.php” com a famosa função php_info e, coloque no document root (”C:\xampplite\htdocs”) e rode para conferir (Loaded Configuration File).

No php.ini, adicione as seguintes linhas:

zend_extension_ts=”c:/xampplite/php/ext/ZendDebugger.dll”
zend_debugger.allow_hosts=127.0.0.1/32, 192.168.1.0/16, 10.1.1.0/16
zend_debugger.expose_remotely=always

a primeira roda a extensão do Zend, a segunda diz quais faixas de IP poderão executar o debug e, a terceira permite

procure no php.ini as seguintes instruções só para conferir se estão assim:

implicit_flush = On

Devem estar comentadas as linhas abaixo:

;extension=php_xdebug.dll

;extension=php_dbg.dll

feito isso, pare o Apache e inicie-o novamente.

é pra estar tudo certo.. na sua página “info.php” já vai aparecer o logo Zend indicando que o debugger rodou (vc lerá algo como Zend Debugger v….)

Agora, a parte fácil.

Vá para o Eclise e, crie seu projeto PHP.

Em seguida, você deverá criar uma opção de Debug para esse projeto. clique no pequeno inseto que está na barra de tarefas do Eclipse (ignore no meu screen abaixo as opções… são as que eu já tinha criado…) e escolha a opção “Open Debug Dialog…”

Na janela a seguir, você deverá preenche:

– o Nome dessa nova opção de Debug que você está criando

– Escolher o tipo de servidor de Debug (Xdebug ou Zend debugger)

– Indicar o arquivo inicial que o depurador irá rastrear.

Feito isso, mande aplicar.

Ao clicar novamente no inseto, já vai aparecer essa opcão que você acabou de salvar.

Para experimentar basta clicar na sua configuração. O Eclipse irá abrir o seu navegador padrão e, abrirá a perspectiva PHP Debug, com diversas informações sobre a página que vc acabou de executar.

Se você tiver colocado algum breakpoint no código, a execução pára até que você mande continuar (dê um F8).


Incrível não?

:-)

é isso…

Bem vindo ao mundo do Software Livre que nos enche de emoção e gratidão por esses heróis que criam ferramentas como estas… de graça!

Bom trabalho!

Categorias:Debugger, Eclipse, PHP, Windows, XAMPP, Zend

Este artigo tem o objetivo simples de contar um pouco da minha experiência diária com o linux… Prepare-se para ouvir história!

Sempre fico feliz de escrever sobre linux porque me lembro da minha primeira vez com ele… Aquela tarde chuvosa num laboratório de um colégio de idiomas onde um grande amigo me apresentou aquilo que viria a se tornar quase metade da minha vida….

Me dediquei a aprender de 1993 prá cá essa nova ferramenta, seus meandros, problemas…. facinado com o que o mundo me apresentava: opção de escolha. Já estava cansado das constantes telas azuis e travamentos inesplicáveis do meu computador.

O início foi doloroso, naquela época não existia, para os comuns, ADSL, gravadora de CD e internet e, muito menos os amigos tinham isso em casa pra poder emprestar. ;-D

Comecei com o RedHat e, depois importei um conjunto de CDs do Slackware 3 anos depois e, finalmente, me senti em casa… tudo que eu gostaria que funcionasse, funcionava. Era só compilar! KISS!!!

bons tempos… fiquei com o Slack até ter conhecimento de que uma nova distro Debian que estava no mercado e, que estava promentendo incluir nesse mundo que eu conhecia aqueles que não tiveram a mesma sorte anos atrás… Assm, começou minha relação com o Ubuntu (4.10) que dura até hoje (Linux Mint 6, uma variante do Ubuntu).

Me deixa realmente entusiasmado saber que tem gente que traduz, programa, escreve documentação, ensina, pensa, projeta, cria coisas como essas que uso aqui no meu laptop sem pensar em lucrar com isso.

Parabéns a todos os que trabalham desenvolvendo essa idéia e, contem comigo para divulgá-la.

Thiago.

Programando textos!

Enfim.. quem nunca ouviu falar de editores de textos para programar…. textos!?

Me preparando para a pós e meu curso de teologia, resolvi preparar o note para uma antiga paixão: programar textos.

Pode parecer absurdo porém, você pode estar fazendo isto todos dias sem perceber.

Quando você abre o seu Writer (ou o concorrente Ms-Word) está fazendo exatamente isso: programando textos numa ferramenta de alto nível. mas, porque programando???

Uai! exatamente por isso… o texto que você escreve não é um texto puro. Experimente abrir um documento do Writer/Word no gVim (ou, no notepad). Você não verá muita coisa que você não digitou. O Editor, ou “IDE para textos” que você está usando codifica as formatações aplicadas ao texto numa linguagem que só o editor entende.

Assim, você não é obrigado escrever tags de marcação cada vez que quer, por exemplo, quebrar uma linha, deixar o texto em negrito, itálico, centralizado…… basta clicar num “butãozinho” que a mágica acontece.

O LateX nada mais é que uma set de ferramentas (linguagem de marcação e compilador) para se escrever texto perfeitos visualmente. Notou que a palavra perfeitos na sentença anterior não está entre aspas, certo? Pois é exatamente essa a sensação quando se ve um texto impresso e, até mesmo no computador, produzido com o LateX. (se você quiser, leia a definição oficial: LateX Introduction e na wikipédia)

Bom, já vou avisando que o LateX não é um processador de texto. O foco aqui não é aparência enquanto se está escrevendo mas sim, o conteúdo. A idéia é que o aparência do documento é para ser tratada por algum profissional de designer e o conteúdo é o que importa. Apesar disso, o resultado final com aparência elegante, eu garanto, o LateX sabe exatamente o que fazer.

Para um simples texto como:

Meu Primeiro Hello World!

Thiago Serra

Janeiro 2008

Olá, este é meu primeiro documento no LateX.

Você escreveria isto:

\documentclass{article}
\title{Meu primeiro Hello World!}
\author{Thiago Serra}
\date{Janeiro 2008}
\begin{document}
\maketitle
Olá, este é meu primeiro documento no LateX!
\end{document}

O resultado seria o mesmo mas, você não tocaria no mouse para aplicar nenhuma formação.

Mas, porque? Porque abrir mão de um processador de texto que “facilita” minha vida para usar uma linguagem de programação para textos?

Bom, ai vão algumas perguntas:

  • você já esteve diante de um texto com alguma formatação que, mesmo você mudando-a, ela persistia em estar ali?
  • você já tentou fazer um índice conciso e preciso no seu trabalho/documento?
  • você já se perdeu com a divisão de seções, rodapés e cabeçalhos diferentes….?

Esses são alguns dos problemas que sempre tive nos processadores de texto.

O LateX é como a luz no fim do túnel. Ele vem para simplificar esses problemas e, trazer diversas outras vantagens.

No Ubuntu, como de costume, as coisas são tranquilas.. basta um apt-get e pronto! Tudo instalado.

sudo apt-get install abntex

Prepare-se! Serão 249 MB de download para ter o ambiente completo na sua máquina.

Existem diversos editores visuais para que você não tenha que trabalhar com o “código fonte” digamos assim. Entre os melhores está o Kile. Indico também o Lyx. Ambos presentes no repositório do Ubuntu. Prefiro o bom e velho gVim.

Referência na net você encontrará milhões. Indico duas boas referências:

Categorias:Geral

Netbeans PHP IDE no Ubuntu

respirando novos ares fui conferir o projeto da Sun para PHP.

A IDE NetBeans, conhecida mundialmente como IDE para Java, está, a exemplo do Eclipse, bebendo em outras águas… já suporta as linguagens Ruby, C/C++ e PHP além do Java, naturalmente.

O download da versão 6.5 (beta) está disponível neste link. Um breve orverview dos recursos dessa versão estão aqui.

O tamanho é um diferencial positivo, são apenas ~ 21 MB. Outra coisa que me chamou muito a atenção foi a velocidade para abrir a IDE.. impressionantes 3~4s no meu notebook (Centrino Duo 2.2Ghz, 2 GB de RAM).

Os recursos são compatíveis com o Eclipse PDT, inclusive com possibilidade de debug de código com xdebug.

Mais um recursos interessante é o client SVN embutido. Funcionou mto bem.

Uma excelente fonte de consulta é o weblog do Netbeans for PHP. Está disponível ali uma coleção já considerável de tutoriais e artigos sobre a nova ferramenta. A séria que destaco abaxo é bem interessante para os programadores PHP que estão iniciando no Ubuntu. Ensina a configuração básica de um ambiente de programação PHP + MySQL + NetBeans PHP IDE.

é isso.

estou testando e gostando! ;-)

Categorias:Netbeans, PHP, Ubuntu

eu!

Meu nome é Thiago Serra Ferreira de Carvalho, sou empregado público e, fora isso trabalhei com Linux/Software Livre exclusivamente (+ ou – 07 anos) antes de passar em concurso público.

Meu curriculum, sempre atualizado, está no Lattes e, também tenho um profile no Linkedin ou pode ser solicitado por email (thiago.sfcarvalho (at) gmail.com)

Você pode me contactar das seguintes formas:
Skype: thiagosfc
ICQ: 5464597
MSN (somente para msn mesmo): suportelinux (at) msn.com
Yahoo Messenger: thiagoserra
Google Talk: thiago.sfcarvalho (at) gmail.com

Se você estudou comigo, trabalhou comigo, me conheceu em algum momento da sua vida, por favor me adicione em seus mensengers!

Grande abraço e, entre em contato! 😉

Categorias:curriculum, quem sou eu

optando pelo free…

Saindo dos domínios pagos, optei por continuar a escrever – mesmo que raramente – para este novo blog…

Vamos ver se a experiência dá certo….

Categorias:blog